Atenção: perigo, CASSI

BB e Chapa Mais União se articulam na Cassi

Direção do banco divulga comunicado mostrando intenções para a Caixa de Assistência: mudar modelo de gestão e aumentar contribuições de associados ativos e aposentados; Novos eleitos sinalizam que concordam com a política da patrocinadora

A direção do Banco do Brasil enviou comunicado interno deixando claro que defende mudanças estruturais na Caixa de Assistência. O documento veio a público na quinta-feira 12, poucos dias após reunião entre representantes do banco e integrantes da Chapa Mais União, vencedora da eleição na Cassi.

No documento do banco há pontos que devem servir de alerta aos participantes como: “Repensar a governança e a arquitetura organizacional (…) é inevitável, pois a Cassi precisa incorporar conhecimento e experiência em saúde à sua direção, além de evitar o estado de ‘não decisão’ em suas instâncias estratégicas”.

“O recado é claro. O banco quer implantar o voto de minerva, para dar a última palavra na Cassi. Conta naturalmente com o apoio dos dirigentes que indica e, ao que parece, com a simpatia dos novos eleitos, que, em atitude no mínimo suspeita, mal venceram as eleições e já foram se reunir com o banco”, afirma o diretor do Sindicato e integrante da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB, João Fukunaga.

Em outro trecho, o BB coloca a premissa: “As ações precisam ser estruturantes em diversas dimensões: receitas, despesas e processos de gestão assistencial (…)”. Para João Fukunaga, a leitura adequada da frase é: “Vão aumentar as contribuições dos associados à Cassi. Não concordamos e vamos fazer a defesa dos nossos colegas”, alerta.

Para o dirigente, o comunicado fica ainda mais claro quanto a intenção de onerar os associados da Cassi quando cita que as “soluções” para a Cassi “não serão fáceis para ninguém” e que o “compromisso em equilibrar sacrifícios amenizará as dificuldades”. “Esse comunicado mais parece uma forma de preparar o terreno para o pacote de maldades que está por vir nessa proposta do BB para a Cassi”, avalia Fukunaga.

E os novos eleitos?
O documento do BB foi divulgado poucos dias após a Chapa Mais União divulgar uma nota relatando reunião que teve com representantes da instituição financeira, em 4 de abril. “A reunião aconteceu antes de sua visita à Cassi ou de sua posse, talvez para pedir as bênçãos ao banco”, critica João Fukunaga.

O que chama mais atenção no documento divulgado pelos novos eleitos, diz Fukunaga, é conter trechos idênticos aos ditos pelo banco, tais como: “(…) houve um consenso de que deverão ser feitos estudos técnicos caso haja a necessidade de um aporte adicional de recursos, tanto da parte do banco, como da parte dos associados, para, no curto prazo, resolver o problema estrutural do financiamento do plano” e também “(…) conduziremos os estudos técnicos visando o estabelecimento de um novo modelo de financiamento“.

Os dois discursos, que deveriam contemplar interesses divergentes, estão muito afinados. Cabe ao funcionalismo resistir para impedir o ataque a conquistas importantes como a paridade na gestão, a não cobrança por dependente, o princípio da solidariedade e o modelo de custeio com contrapartida maior do banco para ativos e aposentados.

“Vamos acompanhar tudo de perto e denunciar medidas prejudiciais aos participantes. Vale lembrar ainda que as mudanças pretendidas precisam ser votadas pelo corpo social, pois estão previstas no estatuto da Cassi”, finaliza João Fukunaga. SEEB – São Paulo

Bancarios Joinville

A página do Sindicato dos Bancários de Joinville é um instrumento de informação, formação e interação com a categoria e a comunidade em geral.