Lucro do Bradesco não para de crescer

O Bradesco obteve, no 1º semestre de 2018, lucro líquido recorrente de R$ 10,263 bilhões, crescimento de 9,7% em relação ao mesmo período do ano passado. Mesmo apresentando resultados cada vez maiores, o banco não se constrange em cortar postos de trabalho. Em 12 meses (junho de 2017 a junho de 2018) já são 7.460 vagas a menos.

Apenas com a receita de prestação de serviços e tarifas bancárias, que tiveram alta de 6,1% e alcançaram R$ 12,4 bilhões, o Bradesco cobre 132% do total das suas despesas com pessoal.

Outros dados

Contribuiu para o resultado semestral do Bradesco a queda nas despesas de intermediação financeira, com destaque para as despesas de captação (queda de 36,4%) e despesas de provisão para devedores duvidosos (queda de 39,6%). Além disso, as despesas de pessoal também apresentaram queda de 0,8% no primeiro semestre, em relação ao mesmo período do ano passado.

A rentabilidade do Bradesco chegou a 18,5%, aumento 0,3 ponto percentual em relação ao 1º semestre de 2017. A carteira de crédito cresceu 4,5% nos últimos 12 meses, sendo 3,5% no crédito Pessoa Jurídica e 6,3% no crédito Pessoa Física. Os destaques em pessoa física foram o crédito consignado (13,1%) imobiliário (8,2%) e veículos (13,9%).

O índice de inadimplência caiu pelo quinto trimestre consecutivo e chegou a 3,92%, ante 4,9% em junho de 2017. SEEB – São Paulo

Bancarios Joinville

A página do Sindicato dos Bancários de Joinville é um instrumento de informação, formação e interação com a categoria e a comunidade em geral.