Sindicato presente no 4° Congresso Nacional da União Geral dos Trabalhadores

#SomosTodosBancariosJoinville

Praia Grande/SP – Mais de 800 convidados, entre sindicalistas de diferentes ramos de atividade, representantes de movimentos sociais e 21 delegações estrangeiras compareceram ao 4º Congresso Nacional da União Geral dos Trabalhadores (UGT), realizado nos dias 30 e 31 de maio, nas dependências do Ocian Praia Clube, em Praia Grande, município litorâneo paulista. O tema “4ª Revolução Industrial, o Futuro do Trabalho e a Ação Sindical” sintetiza a preocupação do sindicalismo brasileiro diante da ofensiva aos direitos sociais, materializada na aprovação de medidas consideradas impopulares, como a terceirização sem limites, a reforma trabalhista e a apresentação de projeto que aumenta a idade mínima para a aposentadoria e o tempo de contribuição.

O sentimento de revolta foi expresso pelo presidente nacional da entidade, Ricardo Patah, que também preside o Sindicato dos Comerciários de São Paulo, maior entidade sindical da iniciativa privada no País. O ugetista condenou os seguidos ataques contra o movimento social e convocou as entidades filiadas a “ir às ruas” para protestar contra a atual situação.

Antes do presidente da UGT, João Carlos Gonçalves, o conhecido Juruna, secretário-geral nacional da Força Sindical, disse ser essencial que os trabalhadores possam discutir a realidade política e econômica do Brasil. Para ele, a mensagem contida no 4º Congresso Nacional da UGT é aquela que sintetiza a necessidade de reforçar a unidade na ação entre as entidades sindicais, independente da Central a estão filiadas. Juruna criticou a Medida Provisória 873, que proíbe o desconto em folha das contribuições sindicais, “por não resolver a questão”, visto que os sindicatos representam todos os trabalhadores, sejam associados às entidades ou não e leva as vantagens e benefícios ao conjunto da categoria.

Uma das 58 representantes de 21 delegações estrangeiras, a turca Merita Vldiyz, classificou de “honra e privilégio” ter sido convidada para participar da abertura do evento e frisou que os trabalhadores turcos compartilham das mesmas preocupações que os brasileiros. Para Vldiuz, o desenvolvimento dos sindicatos depende da luta empreendida pelas categorias de trabalhadores, fato que faz com os turcos se congratulem com a UGT, que atua a serviço do interesse geral da população, ajudando a combater a pobreza e a desigualdade social. Ela citou o problema mundial da exploração do trabalho escravo, uma questão que cobra a responsabilização dos empregadores.

Secretário-geral adjunto da Confederação Sindical das Américas, Vitor Báez destacou que a luta por maior democracia passa pela solidariedade entre as centrais e advertiu para o que chamou de “um dos piores momentos da história do Brasil”, com o crescimento da terceirização e dos sinais de fascismo na política brasileira. Báez elencou questões como a desproteção das populações negra e indígena e condenou a atitude de culpar o sindicalismo pelos problemas nacionais, lembrando que “o fascismo é racista, violento e inimigo da democracia”.

Clemente Ganz Lúcio, diretor técnico do Dieese, explicou que os sindicatos estão lutando para aumentar a proteção social, apesar do momento difícil por que passam em razão da Reforma Trabalhista e da MP 873, que tentam proteger as empresas e não deixar com que os sindicatos protejam os trabalhadores.

“A Previdência é um direito que, como sociedade, queremos produzir. Queremos dar uma proteção social aos idosos, às pessoas que trabalham. Para financiar a Previdência, precisamos de uma Reforma Tributária que arrecade impostos dos que hoje não pagam, justamente os mais ricos. Do jeito que foi apresentada, a nova regra da Previdência tira dinheiro das pessoas. Quanto menos dinheiro, menos emprego, menos consumo e, finalmente, menos valorização da economia. Assim, a Reforma da Previdência proposta pelo governo hoje é, além de injusta, ineficiente do ponto de vista econômico”, disse o diretor técnico do Dieese.

Para Luciana Urban, gerente da Mercedes Benz do Brasil, que abordou o tema Revolução 4.0, “estamos vivendo uma transição, como occoreu em todas as Revoluções anteriores. Assim, é necessária uma adaptação. Não vai haver uma destruição, e sim uma migração das ocupações, das necessidades e prioridades. Para essa mudança, o fator humano continuará sendo o mais importante”.

A palestrante explicou que estamos vivendo no mundo VUCA (sigla em inglês para volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade). “E, para passar por esse momento, precisamos ter seis habilidades, que são: adaptação, propósito, colaboração, conversa, transdisciplina e mentalidade exponencial.”

Já Jana Silverman, vice-presidente do Solidarity Center, falou sobre o retrocesso que pode ser gerado pela Revolução 4.0. “Corremos o risco de voltar à Primeira Revolução Industrial, com pessoas trabalhando 12 horas por dia, recebendo pouquíssimo, os chamados escravos modernos. Haverá mudanças difíceis e os sindicatos precisam se preparar, lutar pela instituição de políticas públicas fortes para os trabalhadores. Lutar para construir uma economia que atenda à sociedade, e não ao capital.”

Jana reforçou, ainda, a necessidade de os sindicatos serem cada vez mais ofensivos e menos defensivos. “É preciso ir para a base, se aproximar do trabalhador e entendê-lo fora da jornada laboral, ou seja, como negro, LGBT, pai e mãe, cidadão. Os sindicatos foram criados para lutar pelo trabalho decente. É isso que deve ser feito em qualquer situação”, finalizou.

Na sequência, o professor e pesquisador da CESIT/Unicamp, José Dari Krein, ministrou uma palestra sobre a conjuntura sindical brasileira em tempos de Revolução 4.0. “Não podemos ser contra a tecnologia. Temos que nos apropriar dela para que não seja boa só para o capital. Temos que pensar que as tecnologias não são neutras, e sim determinadas por relações de poder.”

Krein também abordou a importância da adaptação dos sindicatos à mudança estrutural ocorrida na classe trabalhadora. “Precisamos, primeiro, dar espaço para a juventude. Além disso, o sindicato deve ter um caráter mais horizontal e atender diversas categorias em uma mesma entidade, inclusive aqueles que se encontram sem emprego. Sem falar na defesa de políticas públicas que sejam universais”, finalizou o professor.

Valdemar Luz, presidente do Sindicato dos Bancários e Financiários de Joinville alertou que o movimento sindical está perdendo a guerra da comunicação para o capital. “São milhões de reais do povo investidos em televisão e Sílvio Santos; o movimento sindical precisa reagir, talvez montando um canal de televisão, pois todo o esforço empregado na produção de panfletos e mídia social parecem não estar surtindo efeito na conscientização das pessoas.”

Na ocasião, também houve a eleição da nova diretoria da UGT, que atuará pelos próximos quatro anos no comando da Central, além de aprovação de importantes moções. UGT, Renato Ilha com Redação Bancários Joinville

Bancarios Joinville

A página do Sindicato dos Bancários de Joinville é um instrumento de informação, formação e interação com a categoria e a comunidade em geral.