Sindicato volta a discutir teletrabalho com a Fenaban e Fetrafi

O movimento sindical apresentou à Fenaban (federação dos bancos), nesta sexta-feira 24, os resultados da 2ª Pesquisa de Teletrabalho da Categoria Bancária, que coletou respostas de 12.979 bancários e bancárias de todo o país. Os representantes dos bancos pediram um tempo para avaliar os dados da pesquisa. Desde já serão realizadas negociações com os bancos, por meio das comissões de empregados. Os sindicatos, federações e confederações, que representam a categoria na mesa com a Fenaban, manifestou preocupação com uma volta descoordenada e apressada ao trabalho presencial. Ficou marcada para a semana que vem a retomada de negociação para discutir e definir os protocolos de segurança nos locais de trabalho.

A pesquisa feita pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) avaliou as condições do home office para a categoria após mais de um ano de duração dessa modalidade, medida negociada pelo Sindicato e que foi fundamental para garantir a segurança dos trabalhadores durante a pandemia. Os dados da pesquisa mostram isso: houve maior índice de diagnóstico positivo de Covid-19 (38%) entre os que permaneceram no trabalho presencial do que entre os que foram para o teletrabalho (23%). Chamou a atenção o fato de que o banco que menos colocou trabalhadores em teletrabalho foi o que mais teve registros de contaminação.

A pesquisa é fundamental para avaliar as condições de trabalho da categoria em home office, após quase dois anos. Revelou que a luta do movimento sindical para manter o teletrabalho reduziu o contágio e salvou vidas. Nosso desafio é regular os acordos com os bancos, para que o trabalhador não aumente seus custos, e estabeleça limites de jornada, com a melhora nas condições de saúde. Somente no primeiro semestre do ano, os cinco maiores bancos do país economizaram R$ 300 milhões com despesas administrativas como água, luz, gás, vigilância, transporte, viagens, conservação de bens, etc. É inaceitável que os bancários aumentem suas despesas mensais enquanto os bancos economizam e mantêm seus bilhões em lucros.

Os sindicatos tem negociado desde o início da pandemia, e a ida de boa parte da categoria para o teletrabalho e a discussão permanente de medidas protetivas para quem ficou nas agências foi decisivo para o salvamento de milhares de vidas. A pesquisa ajudou a enxergar o que o movimento sindical necessita negociar.

Custos do teletrabalho

Um dado importante na pesquisa foi que somente 13% dos pesquisados estão recebendo auxílio financeiro dos bancos para os custos do teletrabalho. Apenas um dos cinco maiores bancos está pagando o auxílio de forma regular. Quando foi perguntado o que de mais importante deveria ser fornecido pelos bancos para quem estava em teletrabalho, 59% dos bancários consultados responderam que seria o pagamento do auxílio financeiro para cobrir as despesas com o trabalho remoto (luz, água, internet, etc.). No ano passado, 39% dos pesquisados apontaram o pagamento do auxílio como importante. A resposta mais frequente (64%) foi o fornecimento de equipamentos de infraestrutura. (cadeira, notebook, etc.)

Enquanto as despesas do teletrabalho se avolumam com o aumento da inflação, os bancos cortaram custos com o trabalho remoto. O setor bancários economizou R$ 766 milhões, na comparação das despesas administrativas entre 2019 e 2020.

Os representantes da Fenaban pediram na reunião um tempo para analisarem os dados da pesquisa, antes de responderem às reivindicações. As negociações também serão feitas banco a banco, por meio das comissões de empregados.

Fetrafi e Banrisul

Ficou acordado que todos/as os/as empregados/as que não estiverem aptos a retornar ao trabalho presencial (grupo de risco, sequelados/as, coabitantes) no dia 04/10 conforme tinha sido anunciado pelo banco anteriormente, deverão enviar ao banco laudo do seu médico assistente, e aguardar a marcação do exame de retorno, sem necessidade de se apresentar ao trabalho.

A volta ou não ao trabalho presencial será deliberada após exame de retorno pela medicina do trabalho. A Fetrafi/RS se coloca à disposição para o caso de dúvidas/denúncias, ou ainda para intermediar casos diversos aos expostos acima.

Retorno

Uma das principais preocupações do Sindicato é com o retorno dos que estão em teletrabalho para o trabalho presencial. Os representantes dos trabalhadores reforçaram que o retorno não pode ser feito antes de um maior numero de pessoas completamente imunizadas e com todos os cuidados necessários. O que está em jogo é a vida dos bancários e bancárias e seus familiares. A pandemia não está controlada ainda. O número de mortes continua alto, acima de 500, e a vacinação lenta.

O grupo de risco é o mais preocupante. Estamos vendo os bancos pedindo o retorno a partir de outubro, inclusive das pessoas com comorbidade. Quem toma a segunda dose acha que não há mais necessidade de usar máscara e de ter distanciamento. A vida não voltou ao normal. SEEB-SP

Bancarios Joinville

A página do Sindicato dos Bancários de Joinville é um instrumento de informação, formação e interação com a categoria e a comunidade em geral.