CNBB e Conselho de Economia se posicionam contra reforma da Previdência

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o Conselho Federal de Economia e o Conselho Federal de Serviço Social manifestaram-se contra a reforma da Previdência, durante audiência pública no Senado, nesta quinta-feira (25/5).

Segundo o vice-presidente da Sociedade Brasileira de Previdência Social, Luiz Alberto dos Santos, a crise previdenciária acontece porque os governos se apropriam de recursos destinados à Previdência para outros fins, provocando défcit no orçamento.

Julio Flávio Miragaya, presidente do Conselho Federal de Economia, endossa a afirmação de Alberto dos Santos, utilizando a Desvinculação de Receitas da União (DRU) como exemplo de apropriação dos recursos da Previdência, e afirma que as novas regras propostas na PEC inviabilizarão as aposentadorias da maior parte dos trabalhadores.

Segundo ele, se os novos parâmetros estivessem em vigor hoje, 76% dos beneficiários da aposentadoria não estariam aposentados.

Miragaya afirmou ainda que a reforma impactará milhares de municípios no Brasil, cerca de 70%, principalmente os menores, pois as receitas previdenciárias são importante fonte de renda nesses lugares e com as mudanças os rendimentos municipais irão cair drasticamente.

Para Dom Leonardo Ulcrich Steiner, secretário-geral da CNBB, maior entidade católica do Brasil, a Previdência deve proteger os vulneráveis, e não o mercado.

“Temos lido em jornais que o governo quer aprovar reforma da Previdência para sinalizar para o mercado. Isso não tem ética. Não é o mercado que pode dizer o que pode ou não pode ser feito. Não podemos onerar os pobres”, afirmou o bispo.  Correio Braziliense

Bancarios Joinville

A página do Sindicato dos Bancários de Joinville é um instrumento de informação, formação e interação com a categoria e a comunidade em geral.