Itaú sobe tom e aumenta pressão sobre JBS

O Itaú Unibanco ameaça deixar as negociações com a JBS e cobrar antecipadamente cerca de R$ 1 bilhão que tem a receber da empresa. A intenção foi manifestada ao grupo de bancos que discute a renovação de empréstimos feitos às empresas da família Batista, segundo executivos do alto escalão de duas instituições envolvidas nas conversas.

Procurado, o Itaú negou que esteja endurecendo nas negociações. Em nota, afirmou que “não há nenhum movimento nesse sentido”.

Participam do grupo de credores os maiores bancos do país: Banco do Brasil, Caixa, Bradesco e Santander, além do próprio Itaú. A avaliação da cúpula dessas instituições é que, como há muito dinheiro em jogo, a negociação é o melhor caminho a ser seguido nesse momento.

Juntos, os cinco têm quase R$ 25 bilhões a receber das empresas da família Batista. Entre eles, o Itaú é o que tem exposição menor. A conta dos bancos públicos —BB e Caixa— beira os R$ 15 bilhões.

Com a delação de Joesley e Wesley Batista e a profunda crise que se abateu sobre a JBS, os bancões foram chamados a renegociar financiamentos. A empresa não pede dinheiro novo por ora, mas quer um prazo maior para honrar seus compromissos.

Em tratativas desse tipo, é comum que as conversas sejam duras. Desde o início, porém, Itaú e Caixa assumiram posição mais belicosa, de acordo com executivos que participam das negociações.

A instituição estatal recuou recentemente e mostrou-se disposto a dialogar. Já o Itaú optou por subir o tom.

DESCONFORTO
O movimento pode levar a um perigoso efeito cascata e, por isso, a posição do Itaú tem causado grande desconforto entre os demais bancos.
Num cenário em que de fato exija a quitação da dívida e a JBS não honre o pagamento, as outras instituições ficariam numa situação muito difícil, explica o executivo de um dos bancos envolvidos.

Cláusulas nos contratos de financiamento dos outros bancos os obrigaria a também pedir a quitação antecipada, uma vez que a companhia estaria inadimplente com o Itaú. Não há dinheiro para pagar à vista todos ao mesmo tempo.

Outra possibilidade seria a JBS quitar a dívida com o Itaú, evitando o calote e a reação em cadeia dos outros bancos. Mas isso deixaria o caixa da empresa mais debilitado.
No fim de março, a JBS tinha R$ 10 bilhões em caixa e R$ 58 bilhões em dívidas —um terço vencendo até o início do ano que vem. O endividamento do grupo J&F, somadas a JBS e outras empresas, está perto de R$ 70 bilhões.

Nos bastidores, os bancos tentam demover o Itaú da ideia de rompimento e lembram que os grandes bancos também são credores de outras empresas que podem enfrentar dificuldades. Para eles, o melhor é insistir num acordo e rolar dívidas, como foi feito com a Odebrecht.

Para que um acerto saia, os bancos tentam atrelar a renovação das linhas à venda de empresas do conglomerado —além da JBS, os Batista são donos de Alpargatas, da Eldorado Celulose e da Vigor.

Em nota, a JBS afirmou que não comenta negociações específicas com os bancos e que “tem mantido discussões construtivas e produtivas com os parceiros financeiros”.  Folha.com

Bancarios Joinville

A página do Sindicato dos Bancários de Joinville é um instrumento de informação, formação e interação com a categoria e a comunidade em geral.