Bancário em greve há 18 dias, culpa do banqueiro

#soalutategarante

Depois de um dia histórico, em que centros administrativos estratégicos dos maiores bancos do país foram fechados, os bancários chegam nesta sexta-feira ao 18º dia de greve.

Assim, nesta sexta-feira 23, além de milhares de agências de bancos públicos e privados por todo o país, em Joinville, Garuva, Itapoá, São Francisco do Sul, Araquari, Balneário de Barra do Sul e Barra Velha ficaram paralisadas 55 agências, totalizando 68,75% (ver relação ao final da matéria).

Na base da Federação dos Bancários de Santa Catarina (FEEB-SC), subiu para 293 os postos de trabalho fechados. A nível nacional são 13.198 agências e 43 centros administrativos – cerca de 57% dos locais de trabalho.

Cadê a proposta?

Em São Paulo, cidade onde são realizadas as negociações, os representantes dos bancários enviaram nota à imprensa, cobrando a retomada das negociações. “Os bancos, que representam o setor mais rentável do país, mantêm a categoria em greve, prejudicando os trabalhadores e toda a população. Reiteramos que estamos à disposição para negociar e cabe aos bancos chamar para uma nova reunião, apresentar proposta digna aos trabalhadores e encerrar a greve”, informa trecho da nota.

BB deve acertar valor do VR antes do final do mês

Trabalhadores do Banco do Brasil consultaram a provisão de saldo do vale-refeição, que é creditada no último dia de cada mês, e perceberam que os dias de greve estavam sendo descontados. Bancários de todo o Brasil estão em greve desde 6 de setembro, e continuarão o movimento até os bancos apresentarem proposta decente.

A Comissão de Empresa dos Funcionários entrou em contato com a direção do banco e cobrou o acerto. “O banco ficou de avaliar e corrigir o problema antes do crédito do valor do VR. Vamos ficar atentos e, caso isso não ocorra, tomar as providências cabíveis”, diz o diretor sindical e integrante da comissão dos funcionários, João Fukunaga.

O dirigente lembra que a mesma coisa ocorreu durante a greve do ano passado: a provisão apontava o desconto, mas o banco corrigiu antes da data do crédito. Segundo o BB, isso ocorre porque o saldo do VR é calculado com base no sistema de ponto, e enviado para a empresa que administra o vale. “Em 2015, o banco corrigiu essa distorção. Esperamos que isso ocorra de novo este ano. Os bancários devem ficar atentos e denunciar ao Sindicato se tiverem prejuízo no VR ou qualquer outro problema que caracterize retaliação por terem aderido à paralisação”, avisa João Fukunaga.

“A greve é um direito do trabalhador, previsto por lei [lei 7.783/89], e tem de ser respeitada. Se os bancos querem por fim ao movimento, então que venham com proposta decente para a mesa de negociação. São os bancários que constroem os altos lucros das instituições financeiras, portanto, merecem respeito e valorização”, afirma o dirigente.

Vale-refeição acaba antes do fim do mês

Você já reparou que o mês parece ficar cada vez mais longo quando tem de almoçar utilizando o vale-refeição? Isso ocorre porque o segmento alimentação corrói boa parte do orçamento mensal. Enquanto a inflação medida pelo INPC entre 1º de setembro de 2015 e 31 de agosto deste ano chegou a 9,62%, em igual período os itens alimentação e bebidas acumularam 14,83%.

Além do aumento real nos salários e PLR maior melhorar o valor do VR (atualmente é R$ 29,64 por 22 dias) é outro motivo que leva funcionários do Itaú, do Santander, do Bradesco, da Caixa e do Banco do Brasil a se manterem firmes na greve.

A conquista – O VR não é um benefício dos bancos, como muitas pessoas pensam. Foi uma conquista da mobilização da categoria na campanha de 1991 e está assegurado na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT).


Campanha Salarial 2016
Greve Nacional da Categoria
Relação de agências na base do SEEB Joinville

Banco do Brasil
Cidade das Flores – aberta
América – aberta
Itapoá – aberta
Barra do Sul – aberta
Garuva – aberta
Araquari – aberta
Prédio – parcial
Iririú – fechada
Iririú, II – fechada
Centro – fechada
Anita – fechada
Floresta – fechada
Vila nova – fechada
Tupy – fechada
João Colin – fechada
João Colin, II – fechada
Prefeitura – fechada
Pirabeiraba – fechada
São Francisco – fechada
São Francisco, II – fechada
Barra Velha – fechada

Caixa Federal
Albano Schmidt – aberta
Costa e Silva – aberta
São Francisco – aberta
Iririú – fechada
Centro – fechada
XV de Novembro – fechada
Colon – fechada
Aventureiro – fechada
Boehmerwald – fechada
Neudorf – fechada
Fátima – fechada
Cidade Orquídeas – fechada
Pirabeiraba – fechada
Itapoá – fechada
Barra Velha – fechada
Araquari – fechada

Bradesco
Costa e Silva – aberta
Giassi – aberta
Bairro América – aberta
Angeloni – aberta
Iririú – aberta
Garten – aberta
Santa Catarina – aberta
São Francisco – aberta
Itapoá – aberta
Araquari – aberta
Itaum – aberta
Rua do Príncipe – fechada
Centro – fechada
Cidade das Flores – fechada
Prime – fechada
João Colin – fechada
Tupy – fechada
Shop. Americanas – fechada
Pirabeiraba – fechada
Garuva – fechada
Barra Velha – fechada

Santander
Select – fechada
Príncipe – fechada
Joinville – fechada
América – fechada
Bucarein – fechada
Iririú – fechada
Pirabeiraba – fechada

Itaú
Personnalité – aberta
Centro – fechada
Príncipe – fechada
João Colin – fechada
Saguaçu – fechada
Nova Iririú – fechada
Santa Catarina – fechada
Getúlio Vargas – fechada
Costa e Silva – fechada
Itaum – fechada
Pirabeiraba – fechada
São Francisco – fechada

Safra
Centro – fechada

Banrisul
Centro – aberta
João Colin – aberta

HSBC
Centro – aberta
João Colin – aberta

Informações atualizadas às 13h30 de 22/09. Correções? Utilize o formulário abaixo e ajude o Sindicato.

Orientações para Greve

Como em todos os anos em que a categoria entrou em greve, o Bancários Joinville coloca toda sua estrutura para que a mobilização seja vitoriosa. E tem dado bons resultados, rendendo reajustes com aumento real, avanços na defesa da saúde, valorização dos pisos, vales, conquista da 13ª cesta e melhor PLR, além da defesa do emprego. São produzidos centenas de cartazes, adesivos, faixas, bem como informativos, informação no site, Facebook, Twitter, Instagram e WhatsApp.

É importante lembrar que a base territorial do Sindicato engloba Joinville e mais 6 municípios da região. São mais de 80 locais de trabalho entre agências e departamentos de bancos públicos e privados. Ou seja, para que a luta seja vitoriosa é fundamental que cada trabalhador faça sua parte paralisando sua unidade e auxiliando os dirigentes sindicais a ampliar cada vez mais o número de adesões.

Lei de greve

A greve é um direito. E para que o movimento não seja considerado abusivo, o Sindicato cumpriu prazos e determinações da lei 7.783/89. O edital de convocação da assembleia do dia 2 de setembro, que votou pela paralisação por tempo indeterminado, foi publicado no jornal A Notícia de 31 de agosto e no Info Bancários n° 5.

A decisão da categoria constou em Aviso de Greve, veiculado pela jornal A Notícia do dia 6 de setembro e entregue em todos os bancos, com 72 horas de antecedência do início da paralisação para que a população tivesse conhecimento da decisão da categoria.

Principais reivindicações

Reajuste salarial: reposição da inflação (9,62%) mais 5% de aumento real; PLR: 3 salários mais R$8.317,90; Piso: R$ 3.940,24 (equivalente ao salário mínimo do Dieese em valores de junho último); Vale alimentação: R$ 880,00 ao mês (valor do salário mínimo); Vale refeição: R$ 880,00 ao mês; 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$ 880,00 ao mês; Melhores condições de trabalho: Fim das metas abusivas e do assédio moral que adoecem os bancários; Emprego: Fim das demissões, mais contratações, fim da rotatividade e combate às terceirizações diante dos riscos de aprovação do PLC 30/15 no Senado Federal, além da ratificação da Convenção 158 da OIT, que coíbe dispensas imotivadas; Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS): Para todos os bancários; Auxílio-educação: Pagamento para graduação e pós; Prevenção contra assaltos e sequestros: Permanência de dois vigilantes por andar nas agências e pontos de serviços bancários, conforme legislação. Instalação de portas giratórias com detector de metais na entrada das áreas de autoatendimento e biombos nos caixas. Abertura e fechamento remoto das agências, fim da guarda das chaves por funcionários; Igualdade de oportunidades: Fim às discriminações nos salários e na ascensão profissional de mulheres, negros, gays, lésbicas, transexuais e pessoas com deficiência (PCDs).

A greve dos bancários não é contra os clientes.

Há várias agências que não estão fechadas pela greve e os caixas eletrônicos estão funcionando normalmente. Caso não consiga atendimento, pode reclamar nos órgãos de defesa do consumidor e no Banco Central. Também pode entrar em contato com a Fenaban ou no SAC dos bancos, cobrando que apresentam proposta decente aos bancários para acabar com a greve.

Federação dos bancos:
11 3244-9800
11 3186-9800
www.febraban.org.br/FaleConosco.asp

Proteste:
0800-201-3900
www.proteste.org.br

Procon:
151 (município de Joinville)
www.joinville.sc.gov.br

Banco Central:
145 (custo de ligação local)
www.bcb.gov.br

SAC Santander: 0800 762 7777
SAC Banco do Brasil: 0800 729 0722
SAC Caixa: 0800 726 0101
SAC Itaú: 0800 728 0728
SAC Bradesco: 0800 704 8383

Bancarios Joinville

A página do Sindicato dos Bancários de Joinville é um instrumento de informação, formação e interação com a categoria e a comunidade em geral.